Posts em destaque

Fashion Day

Talvez muitos se surpreendam com algumas de minhas escolhas. Pode ser, mas definitivamente, eu adoro este visual simples, limpo e acessível. 

Ver post
Wish List – Dia dos Namorados

Dia dos namorados à vista! Para facilitar a vida, preparei esta listinha desejo. Nela, coloquei presentes "possíveis" e que cabem no bolso da maioria, sem muito esforço. Nada de extravagâncias ou absurdos!

Ver post
MÚSICA
Ver post
Voltar
25 maio

MÚSICA

Pense em música eletrônica e você, provavelmente, vai retratar os hinos de discoteca dos anos 1970 e início dos anos 1980. Embora a música eletrônica não tenha se tornado popular até meados dos anos 1970, artistas já estavam usando instrumentos eletrônicos no início dos anos 1960. Bandas de rock progressivo como Pink Floyd, fez o icônico sintetizador Moog, um dos aspectos mais importantes de seu som. Bandas de rock pop como The Beatles também começou a incorporar teclados e sintetizadores em algumas de suas canções experimentais.

 

Synthpop e Disco: A década de 1970

Embora instrumentos eletrônicos já estivessem sendo usados na década de 1960 e apontando uma tendência, foi na década de 1970  que ela surgiu. Bandas como Kraftwerk – uma banda alemã ocidental icónica – introduziu o som eletrônico para um público maior. Formada em 1980, Kraftwerk emparelhou os ritmos de condução de bandas como Led Zeppelin e Deep Purple com os sons futuristas do sintetizador Moog e vocoder. 

Na década de 1970, o novo som interessante influenciou uma grande variedade de músicos e criou as bases para a cena da música eletrônica. Uma vez que Kraftwerk tinha introduzido música eletrônica na cena da música, outros artistas logo o fizeram em seguida. Giorgio Moroder, agora famoso por seu envolvimento com Daft Punk, utiliza instrumentos eletrônicos para capitalizar sobre a tendência da música do disco crescendo.

Philip Oakey & Giorgio Moroder – Together in Electric Dreams

https://www.youtube.com/watch?v=PE1lzqJCeJ0

 

O Synth Época: A década de 1980

Pense Synthpop e você provavelmente vai pensar da década de 1980. A era do brilho, glamour e de excessos foi um grande momento para a música eletrônica, Bandas como A- ha, Pet Shop Boys e Depeche Mode combinaram a estrutura da música rock com os novos sons possibilitados pela MIDI . 

Depeche Mode

 

Dance Music: A década de 1990

A década de 1970 marcou o início da música de dança moderna e a década de1980 marcou seu sucesso comercial, mas foi na década de 1990 que a música eletrônica cresceu no gênero maciço que é hoje.

Durante os anos 1990, gêneros distintos de música eletrônica surgiram tais como trance, progressive house, electro e drum and bass.

A década de 1990 foi também a primeira década em que a composição de música electrônica tornou-se algo que qualquer um poderia fazer. A enorme popularidade de PCs resultou na criação de um novo software, como Fruity Loops (agora FL Studio) destinadas a usuários domésticos.

 

A EDM Época: 2000 para hoje

Desde 2000, a música de dança eletrônica (EDM) vem se consolidando cada vez mais e se tornando um gênero mais popular e influente dentre os diversos estilos musicais.

Hoje, artista electrónicos marcante como Tiësto, Hardwell, David Guetta e o number one Dimitri Vegas & LikeMike vêm alcançando o posto de mais importantes das paradas de álbuns e singles.

Ao mesmo tempo, gêneros como dubstep e trance têm influenciado a estrutura da música pop de Taylor Swift e Justin Bieber. Muitos artistas pop de hoje têm implementado aspectos do dubstep, house e trance em seus singles.

Dimitri Vegas & Like Mike

 

A Internet e o futuro da Música Eletronica 

Parte do enorme crescimento de música electrônica pode ser atribuído à Internet. A popularidade de sites de redes sociais como Youtube e Soundcloud permite promover facilmente uma música ao longo dos últimos 40 anos. A música eletrônica vem se destacando e se tornando um dos maiores gêneros no mundo.

Todos os dias, ela continua a crescer mais, impulsionada pela popularidade das mídias socias.

 

“Dicionário”:

* Sintetizador Moog: O termo sintetizador Moog pode se referir a qualquer um dos sintetizadores analógicos projetados pelo Dr. Robert Moog ou produzidos pela Moog Music e é usado comumente como um designativo genérico para sintetizadores de música analógicos e digitais.

* Synthpop à (também chamado de tecnopop, e erroneamente chamado de eletropop)[1] é um estilo de música em que os teclados e sintetizadores são os instrumentos musicais dominantes. 

* MIDI: Abreviação de Musical Instrument Digital Interface ) é uma norma técnica que descreve um protocolo, interface digital e conectores e permite uma grande variedade de instrumentos musicais eletrônicos,  computadores e outros dispositivos relacionados para conectar e comunicar uns com os outros. Um link MIDI única pode transportar até dezesseis canais de informação, cada um dos quais pode ser encaminhado para um dispositivo separado.

* EDM à Electronic dance music é uma cultura da música eletrônica, vista principalmente em casas noturnas, ou em um ambiente que é centrado na dança e entretenimento, como clubes, raves ou festas. A música é em grande parte criada para uso por disc jockeys e é produzido com o intuito de ser ouvido dentro de um DJ set contínuo, onde o DJ progride de uma música para a outra através de uma sequencia sincronizada ou ‘mix ‘.

 

 

 

  • Fabiano Valente >>> 37 anos 

(Estilo Musical – House e suas vertentes / Flashback)

Formado em Analise de Sistema / Pós Graduado em Telecomunicação / Empresário / DJ & Produtor Musical (por hobby). 

Carreira: DJ oficial da revista Ego ID, já chacoalhou pistas de consagradas casas noturnas (Anzu, WK Lounge, Pink Elephant, Asteroid, Infinity Hall, Tribeca Café, Pub, E-Dub Two, Bumbu Bar & Lounge, Anzu Hall, Runa Club, Resort Dois Santos), além de privée-parties, desfiles, coquetéis e eventos.

Esportista, pratica futebol, cross-fit, corridas em trilhas, musculação. É fã de filmes e séries com temática sobre guerras medievais (Roma, Spartacus, Vikings, Game of Thrones), não à tôa, seu filme preferido é “Braveheart” (Coração Valente).

 

Flávia Malheiros
Flávia Malheiros

Formada em Direito, sempre estive conectada com a arte e aquilo que é etéreo de algum jeito. Meu currículo por formação acadêmica, no entanto, obrigava-me a assumir uma postura sóbria e solene no dia a dia! Mas estava faltando mais de mim mesma na história da minha vida! Mais das coisas leves, amenas, que transmitem aquilo o que genuinamente vem do coração!

Sem comentários

Deixe seu comentário

Siga no Instagram